OS LIVROS

Em julho de 201o, enquanto passava férias em Paraty, no litoral do Rio de Janeiro, sofri o que pode se chamar de uma epifania: enquanto caminhava a beira-mar, em frente à igreja de Santa Rita, no Centro Histórico, vi, diante de mim, a cena do crime do meu primeiro livro . Terminadas as férias, voltei a São Paulo intrigado pela força da experiência. Semanas mais tarde, sonhei com o título: Réquiem para um assassino. Inquieto, pois a cena não sumia da minha mente, voltei a Paraty para conversar com os profissionais da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros sobre a cena que eu imaginara. Tendo confirmadas as minhas impressões, voltei a São Paulo, criei o delegado Joaquim Dornelas e comecei a escrever, sem plano algum. 



Pedra Bruta

 

Páginas: 293 páginas

Preço: R$ 48,00 (impressa) / R$28,00 (digital)

A mais nova aventura do delegado Joaquim Dornelas

Sexta-feira, final do dia. Dornelas aguarda tranquilamente a chegada dos filhos na rodoviária de Palmyra. Assim que o ônibus estaciona, uma clássica briga de trânsito estoura perto dali. O que deveria ser um evento isolado, transforma-se num pesadelo para o delegado. Horas depois, um cadáver é encontrado numa casa do Centro Histórico.

 

Um crime brutal foi cometido. O imóvel tem como proprietário um influente membro de uma das casas maçônicas da cidade. Todos os indícios apontam que uma mensagem está sendo passada. Mas qual? Dornelas é forçado a abandonar as investigações diante de uma cena estarrecedora.

 

Entre o amor de Dulce, os filhos, a equipe unida e leal, a cachaça favorita, as barras de chocolate na gaveta e o mingau de farinha láctea, Dornelas, um tipo humano, amante de música clássica e dono de um instinto aguçado, lança-se à caça de um assassino frio e sofisticado. Mas antes precisa enfrentar os fantasmas do seu próprio passado.

Morte na Flip

 

Páginas: 272

Preço: R$ 42,00 (impressa) / R$ 25,00 (digital)

Uma nova aventura do delegado Joaquim Dornelas

Vai começar a Flip–Festa Literária Internacional de Palmyra, um dos eventos literários mais charmosos do mundo. Na décima edição da festa e com a cidade cheia, o delegado Joaquim Dornelas está dividido entre a alegria e a preocupação. Para ele, quanto mais gente e mais festa, maior a chance de confusão.



E é claro que o inesperado acontece, momentos antes do show de abertura: Dornelas se vê diante de uma cena que põe a si mesmo e a sua equipe, em estado de alerta. Um crime é cometido no início da madrugada. Pressionado pelo chefe e pela imprensa, nesta nova e saborosa aventura, Dornelas se vê envolvido numa complexa rede de fatos e intrigas que procuram desviar o rumo da investigação e confundir a polícia.

Embalado por sua amizade colorida com Dulce Neves, por doses de sua cachaça favorita, por seu empenho como pai à distância e por seu mingau de farinha láctea, o delegado Joaquim Dornelas mais uma vez usa de aguçada intuição e incrível faro policial para desvendar mais um complicado crime.

Réquiem para um assassino

Páginas: 224
Preço: R$ 38,00 (impressa) / R$ 22,00 (digital)

Parecia uma manhã como outra qualquer na pequena Palmyra, uma cidade histórica no litoral do Rio de Janeiro. A caminho do trabalho, o delegado Joaquim Dornelas se espanta com um movimento incomum nas ruas. Diante da Igreja de Santa Teresa e da Antiga Cadeia, no Centro Histórico, uma multidão observa o corpo de um homem atolado na lama seca do canal.
Ninguém sabe como o corpo foi parar lá. Não há sinais de arrasto, marcas de barco, violência, ferimentos, nada. Apenas um band-aid na dobra interna do braço esquerdo. Abandonado pela mulher e longe dos filhos, o delegado Dornelas, um tipo humano, amante de cachaça e de mingau de farinha láctea, se envolve de corpo e alma no caso em busca de salvação.
 

Sem aviso, a irmã do morto e um vereador poderoso aparecem para dar informações importantes sobre o que se tornaria um caso de dimensões bem maiores do que Dornelas poderia imaginar. Aos poucos se revela uma complexa teia de interesses envolvendo a política, o tráfico de drogas, a prostituição e a comunidade local de pescadores. A intuição aguçada, a cultura e o conhecimento das forças que movem a natureza humana permitem ao delegado Joaquim Dornelas se mover habilmente pelo emaranhado de fatos e versões que a trama apresenta. O que a princípio seria mais uma investigação na sua carreira, se torna para o delegado uma jornada de transformação pessoal.

© 2019 by PAULO FERNANDO PRADA LEVY